Comer sem pressa em Paris

Comer sem pressa em Paris

Ainda é comum ouvir turistas contando que foram "maltratados" por garçons em bares ou restaurantes de Paris. Por isso resolvermos explicar a você como funcionam os serviços de gastronomia por aqui e quais são as principais diferenças culturais, que podem levar os viajantes a propagarem esta fama.

A primeira coisa que todo turista deve entender é que em Paris você é "hóspede" de um bar ou restaurante e pode levar algum tempo para alguém chegar a atender você ou a dar-lhe atenção. Você verá o garçom passar e não entenderá por que não o atende rapidamente.

Na verdade isso é considerado um bom serviço, porque eles estão dando um tempo para o cliente relaxar, ler todo o cardápio, escolher o prato e a bebida com calma. A regra na França é mais ou menos a seguinte: se  está com  pressa, não sente-se em um restaurante. Lembre-se que o país leva culinária a sério e ainda considera a refeição como um ritual importante, a ser desfrutado com tempo.

Portanto, a fim de evitar o estresse, o ideal é programar em seu roteiro duas horas para cada refeição - e garantir pelo menos dois almoços e/ou jantares na terra da boa gastronomia. Mas se sua viagem de férias ou negócios é mais apressada, você ainda terá chance de degustar o que há de melhor em termos de boa alimentação.

Uma extensa variedade de pães, queijos, vinhos ou comidas prontas ''à emporter'' (para viagem) são oferecidas em supermercados ou pequenas lojas de alimentação. Com seu lanche ou almoço em mãos, sente-se na grama ou em um dos bancos dos parques, praças ou jardins. Fazer piqueniques ou levar comida para os locais públicos não é considerado deselegante e muito menos pouco nobre.

Em bares e restaurantes de Paris a relação dos pratos oferecidos e seus respectivos preços estão sempre disponíveis do lado de fora, o que ajuda muito na decisão de sentar-se para comer ou não naquele local. O serviço também já está incluso na hora que vem a conta. Caso não tenha gostado do tratamento, você pode pagar apenas o valor total discriminado na adicion (que é como se chama conta em franês), mas é costume deixar uma gorjeta além da conta caso tenha ficado satisfeito com o serviço.

Nunca chame um garçom com as mãos, erguendo a voz ou dizendo  “garçom". Em Paris esta atitude, usual no Brasil, é considerada ofensiva e o atendente pode lhe tratar mal. Chame-o com o olhar ou com um ligeiro aceno de mão à altura do queixo. Você pode dizer se um garçom é homem: "Monsieur SVP" que é pronunciado "Messiê, Sil Vu Plé”.

E for se uma garçonete diga “Madame SVP”, pronunciado “Madame Sil Vu Plé'  e, ainda, caso trate-se de uma jovem garçonete, pode-se dizer "Mademoiselle SVP", que é pronunciado "Madmoasel Sil Vu Plé”.

Posted in Comidas & Bebidas, Gastronomia.

One Comment

  1. Amei a a explicação que foi dada aos estressados que não sabem valorizar uma refeição civilizada…
    Amo Paris e mal consigo controlar o desejo de viver aí.
    Parabéns!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


*