Bares & Restaurantes em Paris Dicas & Curiosidades

Em bares e restaurantes em Paris o preço está indicado fora e o serviço incluso. O que significa que você pode pagar apenas o valor da conta, se não tiver gostado do tratamento, mas é costume deixar uma gorjeta caso tenha ficado satisfeito com o serviço.
Nunca chame um garçom com as mãos, erguendo a voz ou dizendo “garçom". Em Paris esta atitude, usual no Brasil, é considerada ofensiva e o atendente pode lhe tratar mal. Chame-o com o olhar ou com um ligeiro aceno de mão à altura do queixo. Você pode dizer se um garçom é homem: "Monsieur SVP" que é pronunciado "Messiê, Sil Vu Plé”.
E for se uma garçonete diga “Madame SVP”, pronunciado “Madame Sil Vu Plé' e, ainda, caso trate-se de uma jovem garçonete, pode-se dizer "Mademoiselle SVP", que é pronunciado "Madmoasel Sil Vu Plé”.
Em Paris, você é "hóspede" de um bar ou restaurante e pode levar algum tempo para alguém chegar a atender você ou a dar atenção. Você verá o garçom passar e não entenderá por que não o atende rapidamente.
Na verdade isso é considerado um bom serviço, porque eles estão dando um tempo para o cliente relaxar. A regra na França é mais ou menos a seguinte : se está com pressa, não sente-se em um restaurante. Lembre-se que o país leva culinária a sério e ainda considera a refeição como um ritual importante, a ser desfrutado com calma e tempo.
O ideal é programar em seu roteiro um tempo para pelo menos dois almoços e/ou jantares na terra da boa gastronomia. Mas se sua viagem de férias ou negócios é mais apressada, você ainda terá chance de degustar o que há de melhor em termos de boa alimentação.
Uma extensa variedade de pães, queijos, vinhos ou comidas prontas ''à emporter'' (para viagem) são oferecidas em supermercados ou pequenas lojas de alimentação. Com seu lanche ou almoço em mãos, sente-se na grama ou em um dos bancos dos parques, praças ou jardins. Fazer piqueniques ou levar comida para os locais públicos não é considerado deselegante e muito menos pouco nobre, como ainda é em algumas regiões do Brasil.

Paris é segura, mas fique atento!

Sobre segurança em Paris

Para quem vem do Brasil, uma cidade como Paris não pode ser considerada violenta. Aqui pega-se transporte público e anda-se pelas ruas à noite e de madrugada com tranquilidade. Não há um sério risco de agressão ou de assalto à mão armada, mas, como toda cidade grande e que atrai turistas, tem seus problemas.

Os batedores de carteira e golpistas muito perspicazes são os que mais preocupam. Ninguém vai atacá-lo com uma arma, mas os infratores percebem quem são os turistas, distraídos, admirando os monumentos ou procurando seus rumos com mapas na mão.

Deixe o seu passaporte e outros documentos no hotel. Em Paris não é necessário sair com documentos. Uma fotocópia é suficiente e saia  principalmente com o cartão contendo o endereço do hotel. Pode haver 50 hotéis com nome similar, por isso ande sempre com o endereço de onde está hospedado.

É aconselhável não deixar nada no bolso de trás das calças e levar o mínimo de valor necessário.  Coloque dinheiro e cartões de crédito dentro de sua roupa.Se houver um cofre no hotel, deixe seus objetos de valor lá mesmo.

Os “batedores de carteira” (pick-pockets) ou “descuidistas”, como são chamados na França os aproveitadores, também podem atuar no lobby do hotel. Eles costumam agir principalmente quando há todo um grupo descendo ou subindo de um ônibus, ou nos cafés dos hotéis, disfarçados de turistas como você.

Por favor, não deixe sem atenção bolsas e nem telefones portáteis à mesa de bares ou cafés.

GOLPES - E nunca, jamais, em tempo algum, pare para ouvir moças com papéis de abaixo-assinado a favor de ninguém; se alguém encontrar um anel na rua e perguntar se é seu siga em frente sem dar confiança e nunca pare para olhar os truques de adivinhação do tipo "onde está o dinheiro". Em locais turísticos é preciso toda a atenção com seus pertences.

Em Paris, o metrô é um grande amigo.

Como andar de metrô em Paris

Uma das melhores coisas de Paris é a facilidade de acesso a todos os locais da cidade, através de uma extensa e diversificada rede de metrô. Em média, a cada 500 metros é possível encontrar uma estação e, certamente, haverá um metrô não muito longe do seu hotel (existem mais de 300 estações).

Em qualquer hotel ou loja é possível encontrar mapas da cidade, com o plan de metro (mapa do metrô no verso). Não se assuste com a teia colorida que se apresenta. Usar o metrô requer uma lógica muito simples: procure primeiro a estação de partida, depois, a de chegada. 

Verfique no mapa quais são as conexões das linhas que precisrá fazer até chegar ao destino. A partir daí é só prestar atenção em qual direção deve pegar cada linha até o destino final. As direções representam as estações finais, então, cada vez que entrar numa estação, ou descer lá para fazer uma conexão, é recomenddao já saber três coisas:

- o número da linha;

- a direção a seguir;

- a estação onde se vai descer (para fazer uma conexão ou estação final). 

O metrô de Paris é sempre muito bem sinalizado, mas existem estações enormes, por onde passam mis de 5 lonhas diferentes, então, saber para onde vai é sempre um ganho de tempo. 

Bilhetes : o melhor e mais econômico é comprar um “carnet " de 10 bilhetes, que se pede: “an carné sil vu plé” (un carnet si vous plaît). Também se pode comprar esse carnê nas máquinas, que são muito simples, aceitam cartão e dinheiro e dispõem de instruções em outras línguas, como inglês e espanhol.  O carnê vai custar o mesmo que comprar 10 unidades mas evita-se o desperdício de tempo a cada vez que precisar embarcar em um metrô.

Atenção : é importante manter o bilhete de metrô usado na estação de partida até a sair da estação de destino. Como é possível entrar em algumas estações sem precisar passar por roletas, é muito comum em Paris ocorrerem blitz de fiscalização em diversas estações da cidade. Caso seja parado em uma delas, basta mostrar o bilhete usado. Sem ele terá que pagar uma multa em torno de 45 euros.

O que vestir no frio em Paris

Brasileiro não está acostumado com frio. Salvo a Região Sul e algumas cidades do Sudeste, a maior parte do Brasil costuma ser agraciada com sol e termômetros registrando acima dos 20 graus celsius, em praticamente os 365 dias do ano. A falta de hábito em enfrentar temperaturas mais baixas acaba por complicar um pouco a hora de fazer as malas para visistar Paris durante as estações mais geladas. Mas, como dizem os parisienses, pas de panic! (nada de pânico).

Entre outubro e março as temperaturas são muito mais baixas do que na maioria dos países da América Latina e do sul dos EUA, portanto, são necessários casacos mais adequados. Lembre-se que um dos sapatos confortáveis deve ser também resistente às chuvas.

É aconselhável trazer um casaco bem quente - ou comprá-lo em uma das diversas lojas especializadas da Cidade Luz. Os chamados doudounes (esses da foto ao lado) vão protegê-lo de frio, vento e chuvas ocasionais. No inverno faz frio nos locais abertos e você provavelmente entrará o tempo todo em locais quentes (carro, hotel, metrô, restaurantes, museus e demais ambientes com calefação). 

Nestes momentos, certamente sentirá vontade de tirar rapidamente seu casaco. O aconselhamos a vestir uma blusa mais leve, de algodão por exemplo, sob pulôveres e casacos mais grossos. Lembre-se  sempre que as roupas por baixo de casacos ficarão à mostra em ambientes fechados. Um pulôver ou suéter de lã cashmere (foto) é sempre aconselhável

E agora basta pedir um bom vinho e aproveitar o savoir vivre (saber viver) de uma cidade que não deixa o frio atrapalhar. 

Nova perfumaria Duty Free em Paris

Nova loja de perfume Duty Free em Paris: Parfumerie Monge

Paris é também uma cidade boa para fazer compras. Especialmente de produtos tradicionais franceses. E o que pode ser mais típico na França do que um bom perfume?

Foi pensando nos milhões de viajantes estrangeiros que visitam Paris a cada ano que os empresários Ricardo Blanch, do inovador site de souvenirs franceses Outlet Amigo, e Alexandre Freyburguer, à frente da Pharmacie Monge, uniram-se na ideia de criar uma perfumaria onde os turistas são atendidos na sua língua de origem e pagam com desconto. A Parfumerie Monge DUTY FREE abrirá suas portas ao público em 3 de novembro. O endereço é o número 79 da Rue Monge, coração do 5éme, também conhecido como Quartier Latin, ao lado da estação de metrô Place Monge.

A loja, com 110 metros quadrados, oferecerá perfumes das mais conceituadas marcas, com descontos e preços sem imposto para não residentes na Europa. A equipe de consultoras de vendas fala fluentemente variadas línguas e o português é um dos idiomas correntes.

Então, a partir do dia 3 de novembro, aquelas comprinhas de perfumes já têm endereço certo: Parfumerie Monge. Em frente à perfumaria está a Pharmacie Monge, onde os cosmétcos mais recomendadas por dermatologistas de todo o mundo estão disponíveis por preços bem mais acessíveis que em outras farmácias da Cidade Luz. Sem contar que as consultoras de beleza falam portugês!

Você pode também curtir a página da Parfumerie Monge no FaceBook e obter mais descontos, além de participar de promoções.

Aproveite Paris e boas compras!

 

Bebidas para brindar em Paris!

Estar na França é a oportunidade de apreciar os "vinhos nacionais" sem pesar tanto no bolso. Vinhos de excelentes safras e procedências variam de preços mas, na média, uma boa garrafa de vinho francês custa 5 euros em um mercado e 12 euros em um restaurante. Há alguns restaurantes que servem o vinho da casa, geralmente mais em conta e normalmente muito bons. Pode perguntar à vontade sobre a origem, o tipo de uva ou qualquer outra informação.

Vinho na França é como futebol no Brasil: quase uma religião, então, mesmo o francês que não entende muito saberá um pouco mais sobre enologia do que qualquer turista. E todos atendentes de restaurantes parisienses conhecem bem a carta de vinhos do estabelecimento.

Vinho em francês é VIN, se pronuncia "vã" e podem ser rouge (tinto), rosé (que também chamamaos "rosê" no Brasil) ou blanc (branco). O vinho tinto normalmente se toma no inverno e os brancos e "rosês" são as bebidas dos dias quentes, ou para acompanharem frutos do mar. Não se surpreenda ao ver franceses colocando cubos de gelo nos vinhos blanc e rosé: é um hábito muito comum no verão.

Outras bebidas típicas da França são o champagne e a cidre. A primeira dispensa a apresentação: mundialmente conhecida como a bebida mais nobre do planeta, pode ser tomada em cup (uma taça) ou bouteille (garrafa) em qualquer bar, bistrô ou restaurante. Já a cidra, um espumante feito à base de maçã, é uma bebida ótima para acompanhar crepes e galettes.

Para os drinks,  os nomes costumam ser os mesmos que conhecemos no Brasil e pode-se pedir pela marca,  pincipalmente o  uísque. Um aperitivo típico é na França é o KIR, que é feito com vinho branco e licor de cassis.O Kir Royal é pronunciado "kir roaial” é cassis com champanhe.

E como é recomendado beber vinho acompanhado de um copo d'água, aqui vão mais algumas palavras em francês…

EAU PLATE pronuncia-se  "o Platt” e significa" água sem gás”.

EAU GAZEUSE pronuncia-se “o gazez" e significa “água mineral com gás".

Se você não quer pagar pela água, você pode pedir :

UNE CARAFE D’EAU; é pronunciado "ine caraff d'ô”,  ou seja, uma  jarra de água.

E agora é partir para o tim-tim!

Como pedir carne em Paris

Como pedir carne em Paris

Aprecia carne e está em visita à França? Fique atento ao modo de preparar seu bife!

Como também acontece em outros países, nos restaurantes franceses costuma-se perguntar aos clientes como eles querem o seu onglet, entrecôte, bavette ou filet.

Seguem algumas dicas para você não ficar desapontado quando servirem seu prato.

BLEUE é pronunciado "blu"' / quase cru. Também pode-se usar SAINGANT, pronuncia-se "sãnhã", para pedir o bife mal passado que vem bem sangrento. Mas ATENÇÃO: na França o mal passado é realmente levado a sério e a carne chega praticamente crua, apenas com um crosta cozida por fora, passada rapidamente em uma chapa ou frigideira quente.

A POINT é pronunciado “a poant"; o ponto será um pouco de sangue / medium em Inglês, mas, na prática, é o mal-passado que conhecemos no Brasil.

BIEN CUITE pronunciado “bian cuitt” (bem passado).

E para acompanhar o apetitoso boeuf...

SALADE pronuncia-se "salad" e é geralmente uma salada de alface e outras folhas.

DES FRITES pronunciado "de frits", as tradicionais batatas fritas.

Comer sem pressa em Paris

Comer sem pressa em Paris

Ainda é comum ouvir turistas contando que foram "maltratados" por garçons em bares ou restaurantes de Paris. Por isso resolvermos explicar a você como funcionam os serviços de gastronomia por aqui e quais são as principais diferenças culturais, que podem levar os viajantes a propagarem esta fama.

A primeira coisa que todo turista deve entender é que em Paris você é "hóspede" de um bar ou restaurante e pode levar algum tempo para alguém chegar a atender você ou a dar-lhe atenção. Você verá o garçom passar e não entenderá por que não o atende rapidamente.

Na verdade isso é considerado um bom serviço, porque eles estão dando um tempo para o cliente relaxar, ler todo o cardápio, escolher o prato e a bebida com calma. A regra na França é mais ou menos a seguinte: se  está com  pressa, não sente-se em um restaurante. Lembre-se que o país leva culinária a sério e ainda considera a refeição como um ritual importante, a ser desfrutado com tempo.

Portanto, a fim de evitar o estresse, o ideal é programar em seu roteiro duas horas para cada refeição - e garantir pelo menos dois almoços e/ou jantares na terra da boa gastronomia. Mas se sua viagem de férias ou negócios é mais apressada, você ainda terá chance de degustar o que há de melhor em termos de boa alimentação.

Uma extensa variedade de pães, queijos, vinhos ou comidas prontas ''à emporter'' (para viagem) são oferecidas em supermercados ou pequenas lojas de alimentação. Com seu lanche ou almoço em mãos, sente-se na grama ou em um dos bancos dos parques, praças ou jardins. Fazer piqueniques ou levar comida para os locais públicos não é considerado deselegante e muito menos pouco nobre.

Em bares e restaurantes de Paris a relação dos pratos oferecidos e seus respectivos preços estão sempre disponíveis do lado de fora, o que ajuda muito na decisão de sentar-se para comer ou não naquele local. O serviço também já está incluso na hora que vem a conta. Caso não tenha gostado do tratamento, você pode pagar apenas o valor total discriminado na adicion (que é como se chama conta em franês), mas é costume deixar uma gorjeta além da conta caso tenha ficado satisfeito com o serviço.

Nunca chame um garçom com as mãos, erguendo a voz ou dizendo  “garçom". Em Paris esta atitude, usual no Brasil, é considerada ofensiva e o atendente pode lhe tratar mal. Chame-o com o olhar ou com um ligeiro aceno de mão à altura do queixo. Você pode dizer se um garçom é homem: "Monsieur SVP" que é pronunciado "Messiê, Sil Vu Plé”.

E for se uma garçonete diga “Madame SVP”, pronunciado “Madame Sil Vu Plé'  e, ainda, caso trate-se de uma jovem garçonete, pode-se dizer "Mademoiselle SVP", que é pronunciado "Madmoasel Sil Vu Plé”.

Paris através dos sabores

Paris através dos sabores

É difícil dizer qual especialidade francesa você não pode deixar de provar durante a sua estadia em Paris. Existem tantas! Na realidade, cada região tem a sua especialidade, logo abaixo apresentamos algumas delas:

As galettes e crêpes da Bretanha: Como o nome indica, o prato vem da Bretanha, mas tem muitas « crêperies » na capital onde você pode provar essa especialidade salgada (« galettes » com bacon, ovo e queijo) ou doce (« crêpe » com manteiga e açúcar ou com caramelo e sal de Guérande).

O croque-monsieur: Não pode deixar de experimentá-lo numa brasserie em Paris. Ele é como um misto-quente com molho Béchamel, simples, mas delicioso! Existe também a versão « Croque-Madame» com um ovo por cima.

 O coq au vin: Frango ao vinho tinto, servido com batatas ou massa. Este prato é um clássico da gastronomia francesa.

 As moules marinières: Mexilhões cozidos ao vinho branco, com cebola e batatas fritas. Os franceses adoram este prato!

A brioche: Irrestível no café da manhã ou no chá da tarde. É uma massa muito cheirosa, feita com fermento, farinha, manteiga e leite. "Se o povo não tem pão, por que não comem brioches?", teria dito, antes da Revolução Francesa, Marie-Antoinette casada com o rei Luís XVI.

 As chouquettes: Mini-brioches com pedacinhos de açúcar, perfeitos para petiscar durante os seus passeios.

 A tarte Tatin: Suculenta torta de maçãs caramelizadas com manteiga e açúcar. A massa original é uma “pâte brisée” (massa de torta doce). Algumas pessoas preferem fazer com massa folhada ou uma massa « sablée ».

Os macarons: De chocolate, pistache, framboesa e praliné... esses doces são uma delícia e ninguém pode resisti-lo.

A raclette: É um prato suíço para ser dividido com a família. O prato é feito com queijo « raclette », embutidos variados e batatas. É consumido, preferencialmente, no inverno (por ser muito consistente). Se puder, experimente-o durante uma estadia nos Alpes, nas estações de ski.

 A tartiflette: Prato com queijo « reblochon » e batatas gratinadas com bacon, cebola e vinho branco. Simplesmente delicioso! Muito consistente também !

 O bœuf Bourguignon: Carne ao molho de vinho de Borgonha, cozido com cenouras.

A ratatouille: Para quem é apaixonado por legumes e deseja ter uma alimentação saudável, este é o prato ideal! Vem do Sul da França, da cidade de Nice e é feito com abobrinhas, tomates, berinjelas, cebolas, alho e azeite. Este prato famoso com o desenho-animado “Ratatouille” da Disney.

O Pot au Feu: Prato tradicional francês da cozinha da vovó. Muito popular, por ser feito com carne, cebolas, nabos, aipo e alho-poró. Este prato tem a opção de ser servido como sopa.

 As moules marinières: Mexilhões cozidos ao vinho branco, com cebola e batatas fritas. Os franceses adoram este prato!

O foie gras: Servido em «terrine» (é um produto típico do Sudoeste da França) nas entradas. Pode também ser cozido na panela. Na França é tradição comer comer foie gras durante as festas de Natal!

 Os escargots farcis: Este prato faz parte dos cardápios dos « Grands chefs ». Escargots da Borgonha são cozidos com alho e manteiga persillade,experimente!

A blanquette de veau: Carne de vitela cozida ao molho de vinho branco, com manteiga, cogumelos e legumes. O prato é servido com arroz.

O fondant au chocolat: Nada mais é do que o nosso “Petit Gateau”, o delicioso bolo pequeno e quente, recheado com chocolate em calda. Geralmente é servido acompanhado de sorvete de baunilha. Mas atenção: jamais peça por petit gateau se quer comer a sobremesa que conhecemos no Brasil. Na frança chama-se fondant au chocolat.

O  crème brûlée: Sobremesa muito famosa a base de ovos e leitecom açúcar caramelizado, ou seja, queimado por cima para dar um aspecto crocante na casca e cremoso por dentro.

O Paris-Brest: Sobremesa feita de massa « choux » - a massa de bombas e profiteroles - rcheado com um creme « praliné » - à base de avelãs - por dentro. Vale a pena!

 O Millefeuille: É o nosso mil-folhas, geralmente recheado do célebre creme « patissière » entre três massas folheadas que derretem na boca.

 O Far Breton: Parece um pudim tradicional da região da Bretanha, feito com ameixas secas.

 Ile flottante: Ovos nevados com creme de baunilha ou creme inglês.

 A França tem outros pratos maravilhosos, então, não hesite em consultar os cardápios, entrar nas patissèries e desfrutar dos maravilhosos sabores franceses!